Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sentir na Pele

alergias, manias e outras patologias.

Sentir na Pele

alergias, manias e outras patologias.

Andei desaparecida em combate

Desapareci em combate nos últimos meses. Deixei de aparecer por aqui, porque os meus dias têm sido pesados e duros.

Este ano foi o ano mais complicado que vivi...problemas de saúde com a família, emprego, ... o que vale é que o ano esta a acabar e melhores ventos virão!

Contudo sempre se consegue ver cores alegres nos dias mais tristes, e é o que tem acontecido.

Nestes últimos meses também aconteceram coisas muito boas. Boas de verdade, boas a valer!

Nasceu o meu afilhado, adotei uma nova filosofia para cuidado de cabelo, nasceram os meus puppies, reencontrei antigos amigos, votei ao yoga...

Nos próximos dias já vos ponho a par de tudo!

hoje-e-um-dia-perfeito.jpg

 

 

Downtown Abbey - Temporada 3

Hoje pela 01:00 da manha a SIC vai começar a transmitir a terceira temporada de Downton Abbey.


Ontem acabei de ver a segunda temporada para poder estar "pronta" para esta... Sim já sei que já vão na 4ª, mas confesso que me "atrasei"!

Sempre gostei de series, mas nunca acompanhei nenhuma até ao fim...
Julgo que o problema reside do "síndrome de mascar pástilha" onde a trama já não nos leva a lugar nenhum, onde começamos a andar as voltas e onde personagem estagnam, adormecendo nas voltas que são levadas a fazer.

O que acontece com Downton é para mim um pouco diferente, não é propriamente uma série de grandes inovações cinematografias, mas é concerteza uma série que exprime os segredos da espécie humana. Aqui descobrimos as várias facetas que a mesma personagem pode ter, tal como cada um de nós que consoante a circunstância atuamos de forma diferente.

Não tenho personagem preferida, porque todas elas tem os seu "quezes", mas quem não os tem!

A Natureza humana de hoje e de sempre!

Já não tenho 20 anos..

Já não tenho 20 anos e nunca mais os voltarei a ter...

 

 

Foi este o pensamento que tive hoje a tomar banho enquanto a agua corria sobre as minhas costas.

A ideia da fugacidade da vida bate a porta muitas vezes, temos medo de não estarmos a fazer as escolhas certas que nos levaram ao final feliz.

 

Mas ela é assim, nunca saberemos se estamos a escolher bem, só sabemos que no futuro teremos a resposta.

 

O importante é escolher a cada momento a opção que achemos melhor (para nos, para os outros que amamos.), e depois devemos atirar tudo para trás das costas...

No futuro é sempre mais fácil tomar decisões do passado...

Se nos deixarmos consumir pela culpa de termos escolhido mal, iremos roer todos os minutos que nos restam e passaremos a ser passados e nunca presente.

 

Muitas vezes julgamos que temos mão do nosso destino, mas ao longo que o tempo passa e que reflito sobre o caminho que a minha vida tomou compreendo que as grandes mudanças na minha vida não tiveram a minha mão para  terem acontecido.

Percebi que por mais que queiramos que as coisas corram num determinado sentido (e mesmo que façamos tudo por isso), a vida arranja sempre maneira de colocar tudo como ela quer. Choramos, desesperamos...mas ao longo que os dias passam sentimos que no fim tudo estará bem.

 

Hoje só tenho grandes planos: casar, ter filhos e passar dias ao sol!

 

Sobre os pormenores de como irá acontecer, não me preocupo muito, irá tudo acontecer como a vida os permitir!

O importante é que aconteçam. :) isso é que conta!

 

Sentir isso dá uma paz e um conforto que não temos aos 20 anos…

Filmes - Revolutionary Road

Ontem voltei a rever um dos filmes que me faz refletir sobre o sentido da vida…

 

Revolutionary Road (2008)

 

Uma interpretação fantástica de Kate Winslet (que já estamos habituados) em parceria com o talentoso Leonardo DiCaprio.

 

 

http://www.imdb.com/video/imdb/vi4269277209/

 

 

Desejamos ser evadidos pela concretização de conseguirmos ser aquilo que “sempre” desejamos ser, nunca percebendo muito bem o que isso significa. O desejo de ser o que se quer, ou o que se pensa que se quer, de forma frenética, não deixa espaço para “ser”.

 

Quando estamos perdidos, sem saber que rumo dar a nossa vida, pensamos que a solução para o nosso problema e que as respostas as nossas duvidas estarão sempre em outro lugar, noutro sitio, com outras pessoas e em outras vidas.

 

Com isso perdemos tudo o que a vida nos dá no Presente. Deixamos de saber olhar para o que nos acontece com atenção… Deixamos de viver.

 

Aprender a ser feliz onde se esta! Talvez seja esta a lição que levo…

 

Até breve!